Cetas (IBAMA) promove soltura de animais silvestres no Parque das Dunas

Notícias Comentários desativados em Cetas (IBAMA) promove soltura de animais silvestres no Parque das Dunas

g342dsc00691

O estado de conservação do Parque das Dunas é referência para os profissionais do Centro de Triagem de Animais Silvestres Chico Mendes – Cetas, organização do IBAMA localizada no bairro do Cabula, em Salvador. Técnicos da instituição fizeram a soltura de dois animais silvestres nas dunas do Flamengo na manhã do dia 15 de junho de 2012.

Foram 2 serpentes da espécie “Boa constrictor”, popularmente conhecida como jibóia. Segundo Jair Dias Cavalcante, técnico ambiental do Cetas, as cobras são nativas do ecossistema de restinga. A área foi avaliada pela equipe do Cetas e, além de ser o habitat natural dos animais em questão, foi classificada em excelente estado de conservação. “É a primeira vez que soltamos aqui espécies recuperadas por nós”, afirmou Cavalcante, que em ocasiões passadas, já resgatou animais silvestres debilitados trazidos ao Parque por moradores do entorno.

Além do nível de conservação das dunas, o presidente da UNIDUNAS Jorge Santana aponta outras vantagens da soltura no Parque das Dunas. Segundo ele, os animais soltos aqui estarão mais protegidos. “Se fosse em outros lugares que talvez sofram com a especulaçãoimobiliária ou estejam ambientalmente antropizados, as jibóias teriam sérios problemas como escassez de alimento”, afirma Santana. O ambientalista também ressalta o tamanho do Parque e garante, com um trabalho de mais de 15 anos, a integridade física das dunas, bem como seus exemplares de fauna e flora que lá residem.

A ação aconteceu às 10h, nas proximidades da Lagoa Vitória, e despertou a curiosidade de 30 alunos do curso de Agente em Defesa Ambiental da parceria Senai/UNIDUNAS, que estavam no intervalo e acompanharam a soltura. Com câmeras e celulares em punho, os futuros agentes ficaram deslumbrados com a imponência das jibóias, que mediam aproximadamente 1,5m. Alguns inclusive arriscaram uma carícia no animal, supervisionados pelo professor Eduardo Xavier e os técnicos do Cetas.

Por Felipe Santana