TRIBUNA: Encontro discute situação atual e o futuro daAPA de Mangue Seco e Parque das Dunas é destaque entre unidades de conservação

Notícias Comentários desativados em TRIBUNA: Encontro discute situação atual e o futuro daAPA de Mangue Seco e Parque das Dunas é destaque entre unidades de conservação

g558mangue-seco-photo1639-5

Matéria veiculada em 10/04/2013 no Tribuna da Bahia:

Foi realizado no início do último mês de março, em Brasília, o I Seminário de APAs, Áreas de Proteção Ambiental, iniciativa do Ministério do Meio Ambiente (MMA), do ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – e com apoio da GIZ, Agência de Cooperação Internacional Alemã. O foco foi a importância das APAs para a conservação da biodiversidade, e a criação de novas unidades, porém, adequando suas gestões às peculiaridades de cada região, e aos atores envolvidos e interessados. Há APAs federais, estaduais e municipais, e recomenda-se a criação de um plano de manejo, ordenamento territorial e desenvolvimento regional.

Amanhã, dia 11 de abril, haverá uma reunião da APA de Mangue Seco, e outra do Conselho do Meio Ambiente de Jandaíra, município onde está localizada a famosa praia. Ambas na Pousada Fantasias do Agreste, em Mangue Seco, a partir de 09hs, e pretendem elaborar ações de captação de recursos e ajuda para a recuperação, preservação e sustentabilidade de um dos mais belos biomas do Brasil, formado por dunas, que ocupam 40% da APA, restinga, a vegetação fixadora das dunas, e o manguezal, ecossistema de alto valor ecológico e econômico. Os manguezais produzem várias espécies animais que o homem captura no mar!

A Bahia tem 43 unidades de conservação da sua biodiversidade, 32 das quais são APAs, e Mangue Seco é uma das mais importantes, e uma das mais belas do país, famosa mundialmente pelas suas dunas e coqueiros. Há outros parques conhecidos no Brasil, como os Lençóis Maranhenses http://www.parquelencois.com.br/ e o belo Parque das Dunas de Natal, dentro da cidade, que recebe cerca de 10 mil visitantes por mês, principalmente estudantes, e mais de cinco mil praticantes de esportes, que percorrem uma das suas três trilhas, todos atendidos por equipe de técnicos, monitores e vigilantes, e uma surpreendente infra-estrutura, conheça-o. http://www.parquedasdunas.rn.gov.br/visitacao.asp.

Não muito longe dos baianos, está o imenso, exuberante, e ainda pouco explorado, Parque das Dunas de Salvador, entre Itapoan e Flamengo, 5.000.000m², uma das maiores reservas naturais urbanas do país. Administrado pela Unidunas, uma OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – presidida pelo competente Jorge Santana, o parque é uma Universidade Livre das Dunas e Restinga de Salvador, com boa infra-estrutura, e corpo técnico que atende visitantes, estudantes, pesquisadores e ambientalistas, além de turistas interessados em conhecer esse tipo de ecossistema. Há trilhas interpretativas de diferentes graus de dificuldade, 07 lagoas – uma maior que o Abaeté! – 1270 espécies de plantas (oito endêmicas, e uma delas ‘pega fogo’ para germinar!) e 230 espécies de animais, uma nativa, a lagartixa ‘bahitense’. O falcão Pelegrino do Canadá nasce na Bahia! Conheça-o http://www.unidunas.com.br/site/.

Mangue Seco foi abandonado pelos poderes públicos – nem há estrada de acesso! – e foi agredido de diferentes maneiras, por falta de normas de ocupação e visitação, e vigilância, mas nada que um bom mutirão não resolva. Uma força tarefa das instituições das três esferas de governo, da iniciativa privada, e da imprensa, respeitando as necessidades da população dos povoados da região, que dependem do lugar para fixar-se e não migrar para os grandes centros. Não é preciso destruir para ganhar dinheiro, Praia do Forte é um bom exemplo, e a pesca e o turismo são suas principais vocações. As instâncias do turismo regional precisam olhar para Mangue Seco! Isto, sim, é Bahia!

Por José Queiroz
Foto: Nestor Silveira